• Quinta-feira, 24 de Setembro de 2020
  1. Home
  2. Imprensa livre
  3. Covid-19: você consegue imaginar o que 100 mil mortes representam?

Imprensa livre

Covid-19: você consegue imaginar o que 100 mil mortes representam?

Você certamente soube que, neste sábado, 8 de agosto, o Brasil infelizmente ultrapassou a marca de 100 mil mortes por Covid-19 – mais precisamente, chegando a 100.477 óbitos, segundo os dados oficiais divulgados pelo Ministério da Saúde. Sim, se trata de uma cifra assustadora, especialmente considerando que não estamos falando puramente de “números”, mas de vidas que foram perdidas para a pandemia, de indivíduos que deixaram pais, filhos, irmãos, amigos, uma história e, sem dúvidas, muita dor.

País em luto

Pois é, caro leitor, não estamos – em absoluto – tratando de uma simples informação estatística. Aliás, você consegue visualizar quanto a perda de 100 mil pessoas representaria? Para ajudá-lo a ter uma ideia mais clara e poder dimensionar o tamanho da tragédia que o nosso país está vivendo, nós aqui do TecMundo decidimos coletar informações demográficas de uma série de cidades aqui do Brasil e do exterior como referência e, em alguns casos, a comparação chega a ser impressionante. Confira a seguir:

Cidades brasileiras

Para aqueles que não conseguem imaginar quanto o número oficial de mortes atribuídas à pandemia representa, reunimos algumas cidades brasileiras com – mais ou menos – 50 mil habitantes. Sendo assim, imagine a totalidade população das seguintes localidades perecendo. Duas vezes. No estado de São Paulo, temos municípios como Rio Grande da Serra, Itararé, Monte Alto, Pontal e Jales, e exemplos de outras Unidades da Federação com esse número aproximado de habitantes seriam Xanxerê, em Santa Catarina, Jaraguá, em Goiás, Laranjal do Jari, no Amapá, Lago da Pedra, no Maranhão, Bocaiuva, em Minas Gerais, Brejo Santo, no Ceará, e Monte Santo, na Bahia.

Período dramático

Pense em cidades como Caieiras, Mairiporã e Itanhaém, em São Paulo, Barra do Piraí, no Rio de Janeiro, Jataí, em Goiás, Fazenda Rio Grande, no Paraná, Santo Antônio de Jesus, na Bahia, e Vilhena, em Rondônia. Essas municipalidades que listamos contam com – pouco mais ou pouco menos – de 100 mil habitantes, portanto, seria como se praticamente a população inteira desses locais falecesse em um período de poucos meses.

No exterior

No caso de que você tenha ficado curioso em saber quanto o nosso drama representaria em relação a cidades estrangeiras, reunimos alguns exemplos delas também. O número de vítimas registrado aqui no Brasil seria equivalente à população de Clinton, em Michigan, e próximo à de Jacksonville, na Carolina do Norte, nos EUA. Já em comparação a localidades europeias, imagine a população inteira de Funchal, em Portugal, e por volta da metade dos habitantes de Hamburgo, na Alemanha, de Bath, na Inglaterra, de Padova, na Itália, e de Cork, na Irlanda, perecendo.

Nosso drama ainda está longe de acabar

Ainda na Europa, cidades como Versailles, na França, Santiago de Compostela e Toledo, na Espanha, e Pisa e Bolzano, na Itália, sequer somam 100 mil habitantes cada uma. A ilha de Rodes, na Grécia, conta com uma população um pouco abaixo de 50 mil pessoas, enquanto Mônaco, por exemplo, não possui nem 40 mil habitantes, então, pense no tamanho do nosso drama. Ficou mais fácil entender a dimensão da terrível marca que batemos no Brasil? Comovente, não é mesmo? O pior é que, ao que tudo indica, a situação ainda está longe de melhorar.

 

 

Fonte: Tecmundo

Morre 6ª vítima de COVID-19 no Município e aumenta o número de pessoas curadas Próximo

Morre 6ª vítima de COVID-19 no Município e aumenta o número de pessoas curadas

Amrec e Amesc: Estado amplia medidas de distanciamento social Anterior

Amrec e Amesc: Estado amplia medidas de distanciamento social

Inscreva-se em nossa Newsletter

Fique por dentro das nossas novidades.