• Quinta-feira, 09 de Dezembro de 2021
  1. Home
  2. Política
  3. Boeira no PSB aposta em apoio do PT para 2022

Política

Boeira no PSB aposta em apoio do PT para 2022

Se tudo ocorrer dentro dos conformes, ex-deputado federal Jorge Boeira deverá deixar o Progressistas para se filiar ao PSB até o dia 10 de novembro. O objetivo da mudança é bem claro: ser candidato ao Governo do Estado por sua nova legenda, de preferência com o apoio do PT.

Boeira já havia manifestado a intenção de disputar a majoritária estadual no pleito de 2018. Naquele momento, seu partido não vinha se entendendo quanto a quem poderia ser o candidato ao governo pela legenda. Aos 45 do segundo tempo o então deputado federal Esperidião Amin (PP) fechou questão com o então deputado estadual Gelson Merisio, a época filiado ao PSD. Amin decidiu disputar o Senado Federal, jogando o Progressistas no coloco da dobradinha PSD/DEM, que disputou a governadoria e a vice-governadoria. Ficou a nítida impressão que o Progressistas havia sido rifado em nome de um projeto pessoal de Esperidião. Descontente com os desdobramentos à época, Jorge Boeira decidiu não concorrer à reeleição, o que acabou colocando uma pá de cal na chama proporcional de seu partido em nível federal.

Com vistas à 2022, Boeira intentou novo projeto majoritário. Dispôs-se a disputar o governo, a vice-governadoria ou o Senado pelo Progressistas. Desde então, não obteve o respaldo necessário do partido, que, a passos largos, passou a se aproximar cada vez mais do governador Carlos Moisés da Silva. A situação chegou a tal ponto que no último sábado, durante encontro região do Progressistas, vários líderes do partido manifestaram franco apoio a Carlos Moisés, mesmo com Boeira estando na mesa de autoridades como pré-candidato ao governo pelo partido. Diante dos fatos, naquele dia a saída de Jorge Boeira da sigla já parecia sentenciada.

Boeira aposta em ampla aliança de esquerda

A estratégia de Jorge Boeira para 2022 é bastante clara. Ele pretende disputar o Governo do Estado tendo o PT como seu vice, e, de preferência, um rosário de partidos de esquerda e centro-esquerda em seu entorno. Vale lembrar que Boeira já foi filiado ao PT, exercendo mandatos de deputado federal pelo partido entre 2003 e 2011, ocasião em que deixou a legenda para se filiar ao PSD. Logo em seguida, no entanto, o então deputado deixou o PSD e se filiou ao Progressistas, por onde disputou novo mandato em 2014. Interessante observar que Cláudio Vignatti, atual presidente do PSB catarinense, também era deputado federal pelo PT à época em que Boeira estava no partido. A afinidade entre ambos não é de agora.

Proximidade entre Jorge Boeira e Vignatti não é de hoje

As fichas de Jorge Boeira e Cláudio Vignatti, no PSB, convergem para a mesma aposta. Egressos do PT, ambos acreditam que possam convencer a legenda de Lula a apoiar uma candidatura governamental de um partido de esquerda menos estigmatizado. O PSB catarinense chegou a ser comandado por Paulinho Bornhausen durante vários anos, o que deu ao partido um carácter de neutralidade no cenário estadual. Especificamente no Sul do Estado, o partido até chegou a estar próximo do movimento sindical, isto na década de 1990, mas em outras regiões catarinenses não se identificou com a esquerda ideológica, situação capitaneada pelo PT e outras legendas, a exemplo do PCdoB, Psol ou PCB. Em princípio, o PSB pode ser ‘vendido’ como um partido de centro.

Boeira teria que chegar aos 28% para emplacar no segundo turno

Um projeto de esquerda para Santa Catarina ano que vem não é tarefa fácil de ser construído, principalmente por conta da boa aceitação que o presidente Jair Bolsonaro vem conseguindo no Estado. A aceitação média do presidente em solo catarinense está na casa dos 65%. Por conta disto, Jorge Boeira corre um risco eminente ao colar sua imagem, de candidato a governador, a imagem de Lula da Silva, de candidato à Presidência. De todo modo, este é o caminho mais fácil de Boeira eventualmente chegar ao segundo turno da eleição estadual, algo que deve ser conseguido se ele alcançar cerca de 28% dos votos válidos do eleitorado no primeiro turno. De todo modo, isto só será conseguido efetivamente diante de uma grande aliança de esquerda no Estado.

Com Bolsonaro presidente e Amin governador PP ressurgiria forte

Em que pese um clima de estranhamento dentro do Progressistas, por conta da saída de Jorge Boeira do partido, a legenda pode literalmente ressurgir das cinzas em Santa Catarina, ano que vem, caso o presidente Jair Bolsonaro se filie a sigla, algo que está muito bem encaminhado. Isto levaria fatalmente o senador Esperidião Amin a disputar o Governo do Estado, inflamando os ânimos das bases conservadoras da sociedade catarinense, que provavelmente aderiria à dobradinha. O partido emplacaria tranquilamente entre seis e oito deputados estaduais, e entre três e quatro federais, além de ter reais chances de eleger o governador. Para isto, é claro, o Progressistas não poderá se entregar ao governador Carlos Moisés.

Turma de mulheres aprende técnicas de Pintura em Tecido Próximo

Turma de mulheres aprende técnicas de Pintura em Tecido

Homem usando tornozeleira é encontrado ferido às margens da rodovia 447 Anterior

Homem usando tornozeleira é encontrado ferido às margens da rodovia 447

Inscreva-se em nossa Newsletter

Fique por dentro das nossas novidades.